Uma comunidade centrada na Palavra a serviço do Reino de Deus

Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. João 14:6

post tenebras lux

Últimas publicações

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Grandes promessas - A criação de todas as coisas



Série Grandes Promessas - Encontrando nosso lugar na história do povo de Deus.



Mensagem 1: A Criação de todas as coisas (Rodrigo Majewski)





Grandes Promessas

Conferência Regional L'abri 2019



Que alegria receber o @labribrasil em nossa casa! Foi ótimo estar em comunhão com os irmãos.
Que Deus possa nos proporcionar muitos momentos assim até que venha, e na eternidade possamos desfrutar juntos da perfeita comunhão com o Deus trino todo poderoso.



Pr Guilherme de Carvalho diretor do L'Abri fala sobre como foi a conferência Revolução Afetiva promovida pelo L'Abri Fellowship Brasil realizada em Porto Alegre-RS. Veja.


"Casamento é uma instituição moral, não afetiva". Logo, não faz sentido chamar o casamento de união heteroafetiva, e muito menos querer equiparar uniões homoafetivas ao casamento, pois o sentimento nunca foi o seu fundamento.




Neste vídeo Vanessa Belmonte do L'Abri Brasil fala sobre a Conferência Revolução Afetiva realizada em Porto Alegre e também sobre a importância da liturgia.

Confira mais sobre o L' Abri clicando aqui: L'Abri Fellowship Brasil






Mais fotos:










~

Conferência L'abri 2019

Existe valor no seu trabalho?

Lutero acreditava que Deus trabalha através de nosso trabalho.



Como pastor, tive inúmeras situações sobre a seguinte circunstância: alguém vem a mim em algum momento de sua vida cristã, geralmente durante uma estação particularmente vibrante. Está claro que a pessoa ama a Jesus e quer honrá-la através de seu trabalho, dizendo: “Ed, estou orando para entrar no ministério vocacional de tempo integral. Estou tentando discernir se Deus quer que eu me torne pastor / ministro / missionário. ”

Parece ser completamente normal na igreja. As pessoas que pensam assim também costumam pensar que, se realmente amam o Senhor, precisam servi-lo em tempo integral, o que é verdade - precisamos servir a Deus em tempo integral.

Mas constantemente servir a Deus nem sempre significa entrar no ministério. Agora, quero que você pense em uma pessoa em sua vida que seja um seguidor fiel e consistente de Cristo. Embora você possa estar pensando em seu pastor ou líder em sua igreja, aposto que muitas pessoas que vêm à mente têm um emprego fora do ministério.

Hoje, uma questão que muitas vezes nos leva a separar Deus glorificado de nosso trabalho é que muitas pessoas vêem o trabalho como uma maneira de ganhar dinheiro. O objetivo maior por trás de uma carreira - glorificar a Deus - é facilmente perdido na ocupação de pagar contas e prover nossas famílias. O trabalho é quase transacional agora: realizamos nossas tarefas atribuídas, somos pagos, repetimos o ciclo. Tornou-se muito mais difícil manter Deus na vanguarda do trabalho.

Outra questão é que hoje as pessoas geralmente pensam que o trabalho é difícil. Eles tipicamente vêem isso por causa do Gênesis, quando os humanos são designados por Deus para "labutar a terra" após a queda (Gênesis 3:17). Eu acho que é importante reconhecermos que o trabalho faz parte da vida antes da Queda. Em Gênesis 2, Deus coloca Adão no Éden com o único propósito de cuidar da terra. O trabalho é dificultado por causa da Queda, sim, mas não é resultado da Queda.

Desde o início, parte do nosso papel como seres humanos tem sido trabalhar. É uma razão do nosso ser. E porque é uma parte tão grande de quem nós somos, geralmente é um tópico que aparece nas igrejas de tempos em tempos. Conversas sobre trabalho geralmente levam a conversas sobre vocação, uma palavra que vem da palavra chamada. Eu acho que é útil aplicá-lo a qualquer trabalho que você executa. Por exemplo, tenho um senso de chamar para o ministério e escrever, enquanto um professor sente um chamado para educar os outros.

Martinho Lutero e inúmeros outros teólogos (e apenas pessoas comuns de Deus) estudam a vocação há séculos. Lutero passou especialmente muito tempo falando sobre o que significa ser humano e responder ao chamado que Deus coloca em sua vida. Especificamente, ele estudou e escreveu sobre como podemos ser o nosso melhor para a glória de Deus, em qualquer papel a que sejamos chamados.

Uma das coisas que ele enfatizou foi a ideia de que, como os humanos trabalham, Deus trabalha através dos humanos. Por exemplo, toda coisa material com a qual somos abençoados, seja uma casa, uma roupa ou um carro, é feita por uma pessoa. Lutero chama essas pessoas de "Deus disfarçado". Ele diz que Deus usa as pessoas para criar bens que podem ser usados ​​por Deus. Tudo o que os humanos realizam é ​​realmente uma conquista para Deus, porque ele trabalha através do nosso trabalho.

Saber que Deus trabalha através de nosso trabalho significa que devemos adotar uma abordagem diferente para nossos trabalhos. Como mencionei anteriormente, o problema hoje é que abordamos o trabalho com a mentalidade errada. Ficamos presos na crença de que o trabalho é apenas por dinheiro.

Às vezes, os cristãos acreditam que o objetivo do trabalho é ganhar dinheiro, dar uma porcentagem desse dinheiro à igreja e depois ir à igreja nos fins de semana para adorar e servir potencialmente. Acho que precisamos mudar a chave e adotar uma nova abordagem para o trabalho.

Sim, doar dinheiro e servir aos outros é importante, e é uma bênção ser financeiramente estável o suficiente para dar aos outros. Mas nossa capacidade de retribuir financeiramente à nossa igreja não é toda a nossa plataforma. Nossa plataforma é a nossa vida inteira. Como o trabalho é uma parte crucial de nossas vidas, precisamos vê-lo como uma plataforma para a glorificação de Cristo.

Em 2018, o Bureau of Labor Statistics relatou que a pessoa média passava oito horas trabalhando todos os dias. Seria um erro passar essas oito horas focadas apenas em ganhar dinheiro e cruzar tarefas da lista de afazeres. Esse terço de nossas vidas precisa glorificar a Deus, assim como os outros dois terços.

O ponto principal aqui é que podemos glorificar a Deus através de nosso trabalho, usando nossos empregos como lugares para cumprir nosso propósito. Hoje, quero desafiá-lo a mudar sua abordagem de trabalho. Em suas interações com colegas de trabalho e em suas tarefas, tenha como objetivo estar atento às maneiras pelas quais você está glorificando a Deus por meio de seu trabalho.

~

Por Ed Stetzer, em Christianity Today.

Artigos

quarta-feira, 7 de agosto de 2019

BotâniCast



Este é o podcast da congregação Jardim Botânico vinculada ao Distrito Partenon, por sua vez vinculado ao campo de Porto Alegre (“Matriz” na rua General Neto), e, atualmente pastoreada por Rodrigo Majewski, tendo como vice Gabriel Kanitz.

Internamente, a igreja constituiu um grupo de líderes que compartilha o cuidado pastoral e planeja os cultos e eventos da congregação, tratando também das questões disciplinares: Rodrigo, Gabriel, Edileno, Israel.

A AD do Jardim Botânico é uma igreja que procura desenvolver uma cultura de participação, engajamento e discipulado entre os membros, independentemente de cargos formais.

Assista aos episódios aqui.

Venha nos visitar na Travessa Serafim Terra, 133 em Porto Alegre-RS!

Abaixo, o primeiro episódio no Youtube:





BotâniCast

quinta-feira, 4 de julho de 2019

África: Alarmante Escalada na Perseguição aos Cristãos

Segundo Lindy Lowry, em um artigo para a Open Doors, "na província oriental de North Kivu, na República Democrática do Congo, os líderes da igreja estão sendo atacados e mortos. Segundo consta, pelo menos 15 grupos extremistas armados operam na região." Foto: cidade de Beni, no North Kivu, onde dezenas de cristãos foram mortos em um ataque em 22 de setembro de 2018.
(Imagem: Razdagger/Wikimedia Commons).


"Em certas regiões, a dimensão e a natureza da perseguição, comprovadamente, estão perto de atingir a definição internacional de genocídio de acordo com a adotada pela ONU." — Revisão Independente de apoio do FCO aos Cristãos Perseguidos."

"Os facínoras pediram aos cristãos para que se convertessem ao Islã, mas o pastor e os outros se recusaram. Eles mandaram que os cristãos se reunissem sob uma árvore e confiscaram suas Bíblias e celulares. Então os chamaram, um a um, para que se dirigissem para detrás da igreja, onde foram mortos a tiros". — World Watch Monitor, 2 de maio de 2019.

Conforme o relatório britânico demonstra, a motivação da perseguição aos cristãos e a outros grupos não muçulmanos não é a etnia, raça ou cor da pele dos perpetradores ou das vítimas, e sim por causa da religião deles.

Se não for dado um basta a esses crimes, é altamente provável que o destino do continente africano seja o mesmo do Oriente Médio: outrora uma região de maioria cristã, hoje os cristãos são uma minúscula, moribunda e indefesa minoria.

Segundo um recente relatório provisório publicado no Reino Unido, "estima-se que um terço da população mundial padeça alguma forma de perseguição religiosa, sendo os cristãos o grupo mais afetado".

Embora o relatório integral, encomendado pelo Secretário do Exterior do Reino Unido Jeremy Hunt e conduzido pelo bispo de Truro, Reverendíssimo Philip Mounstephen, marcado para ser divulgado na Páscoa do ano em curso, "a dimensão e a natureza do fenômeno (perseguição aos cristãos) simplesmente exigia mais tempo," de acordo com o relatório. Como resultado, Mounstephen explicou que os levantamentos ainda "provisórios" divulgados em abril estão incompletos e que o relatório final será publicado no final de junho.

Segundo o item provisório da "visão geral" da "Revisão Independente de apoio do FCO aos Cristãos Perseguidos":

"Em certas regiões, a dimensão e a natureza da perseguição, comprovadamente, estão perto de atingir a definição internacional de genocídio de acordo com a adotada pela ONU."

A África, que já é o lar do maior contingente de cristãos do mundo, é uma dessas regiões.

Por exemplo, em 16 de junho, uma escola de ensino fundamental cristã foi destruída em uma aldeia muçulmana em Uganda, segundo denúncia da International Christian Concern (ICC).

Em 15 de junho, "uma multidão de manifestantes muçulmanos incendiou uma igreja em Maradi, a terceira maior cidade do Níger. O incidente foi uma resposta à detenção de um importante imã que foi preso por afirmar que a legislação proposta sobre o culto religioso era "anti-islâmica".

Em 9 e 10 de junho dois ataques terroristas em Burkina Faso deixaram 29 cristãos mortos. Esse massacre propositado de cristãos ocorreu em 28 de abril, menos de dois meses depois do massacre do pastor Pierre Ouédraogo de 80 anos e de outros membros de sua congregação em Burkina Faso por islamistas armados. Um líder local, que pediu para não ser identificado, contou o seguinte ao World Watch Monitor:

"Os facínoras pediram aos cristãos para que se convertessem ao Islã, mas o pastor e os outros se recusaram. Eles mandaram que eles se reunissem sob uma árvore e confiscaram suas Bíblias e celulares. Então os chamaram, um a um, para que se dirigissem para detrás da igreja, onde foram mortos a tiros".

Em 7 de junho, uma cristã do Níger foi sequestrada por terroristas do Boko Haram e libertada depois de três dias levando consigo uma carta a todos os cristãos com os seguintes dizeres: "deixem a cidade em três dias, caso contrário serão mortos".

Os incidentes acima descritos não são casos isolados. De acordo com o World Watch List 2019 compilado pela Open Doors, grupo encarregado de defender os direitos dos cidadãos de perseguições:

"Ao passo que os violentos excessos do ISIS e de outros militantes islâmicos praticamente desapareceram das manchetes do Oriente Médio, a perda de território do grupo terrorista significa que seus combatentes se dispersaram para um número maior de países, não apenas na região, mas, cada vez mais, na África Subsariana. Sua ideologia radical inspirou ou se infiltrou em inúmeros grupos dissidentes como o Islamic State West Africa Province (ISWAP), grupo que deixa rastros de morte e destruição, que rompeu com o Boko Haram da Nigéria que também escraviza mulheres e meninas cristãs como parte integral de sua estratégia."

Grupos terroristas não são as únicas fontes de perseguição na África. Os cristãos também são alvos de muitos governos e indivíduos muçulmanos.

De acordo com o relatório da Open Doors 2019, a situação em muitos países africanos é a seguinte:

Na Somália, a "vida é de violência e isolamento" para a comunidade cristã, que conta apenas com poucas centenas de indivíduos.

"As estimativas sugerem que 99% dos somalis são muçulmanos e que qualquer religião minoritária é fortemente perseguida. A comunidade cristã é pequena e constantemente ameaçada de ser atacada. A Lei Islâmica (Sharia) e o Islã estão consagrados na constituição do país e a perseguição aos cristãos quase sempre envolve violência. Além disso, em muitas áreas rurais, grupos de militantes islâmicos como o al-Shabab são os governantes de fato. Os cristãos somalis muitas vezes precisam esconder sua fé para continuarem vivos".

Líbia é o lar de cerca de apenas 38 mil cristãos.

"Os convertidos ao cristianismo sofrem abusos e violência por terem decidido seguir Cristo. A Líbia também é o lar de muitos trabalhadores migrantes que foram e estão sendo atacados, agredidos sexualmente e detidos e, caso seja descoberto que são cristãos as coisas podem piorar, e muito".

Sudão é a casa de 1,9 milhão de cristãos.

"O país vem sendo governado como estado islâmico com direitos limitados para as minorias religiosas e pesadas restrições à liberdade de expressão e de imprensa. Cristãos, cuja população conta com mais de 1,9 milhão, enfrentam discriminação e pressão. Um sem número de igrejas foram demolidas em 2017 e 2018, deixando cristãos sem um lugar para praticar sua fé. Cristãos convertidos do Islã são alvos de perseguição em especial".

Na Eritreia, não raramente chamada de "Coreia do Norte da África", há cerca de 2,5 milhões de cristãos onde muitos padecem nas prisões.

"Desde 1993, o presidente Isaias Afwerki comanda um regime autoritário brutal que gira em torno de intensas violações de direitos humanos. Em 2018 houve ataques a igrejas, centenas de cristãos foram presos em condições subumanas. Além disso, estima-se que outros cristãos estejam atualmente encarcerados na vasta rede de prisões na Eritreia, mas ninguém sabe quantos são ou se ainda estão vivos".

Nigéria, onde vivem mais de 90 milhões de cristãos, é um dos piores lugares da África para os cristãos.

"A Nigéria ocupa a pior posição no ranking da violência, principalmente devido ao aumento dos ataques às comunidades cristãs por lavradores militantes Fulanis. Os ataques já custaram a vida de centenas de fiéis durante o período em que se confeccionava o relatório, sobraram apenas escombros dos incêndios a aldeias e igrejas. E não para por aí, em algumas regiões do norte da Nigéria, os cristãos são tratados como cidadãos de segunda categoria. Cristãos com background muçulmano enfrentam perseguições de suas próprias famílias".

A população cristã do Egito, de 9.937.600 de habitantes, sofre perseguição de várias maneiras.

"Aqueles que têm background muçulmano enfrentam uma enorme pressão tanto de parentes próximos quanto de parentes distantes para que retornem ao Islã. As pesadas restrições à construção ou à propriedade de lugares para as rezas impedem que os cristãos congreguem, isso sem falar da hostilidade e da violência perpetrada contra os crentes que se reúnem. Nos últimos anos grupos islâmicos extremistas têm visado cristãos e igrejas em numerosos atos de violência que acabaram deixando rastros de morte e dor por conta da perseguição".

Na República Centro Africana (CAR), a principal religião é a cristã e essa população cristã totaliza mais de 3,45 milhões de pessoas.

"No ano passado a situação piorou para os cristãos da República Centro Africana que enfrentam a crescente pressão dos muçulmanos. Os cristãos também são ameaçados por jihadistas e grupos criminosos no país cujas ações frequentemente se sobrepõem. Os civis cristãos ainda estão sem ter para onde ir no violento conflito entre os muçulmanos Seleka e grupos militantes de defesa pessoal de nome anti-Balaka".

Argélia, onde vivem cerca de 125 mil cristãos, "viu um salto no número de igrejas fechadas" no último ano.

"Ao mesmo tempo, cristãos convertidos assumiram abertamente sua fé, levando a um retrocesso quanto à reação das famílias muçulmanas e da sociedade intolerante. Leis que regulam o culto não muçulmano, proíbem a conversão e a blasfêmia tornando o proselitismo e a expressão pública da fé cristã algo também perigoso."

A população cristã do Mali é de 425 mil habitantes.

"O país do Oeste da África se tornou cada vez mais militante. Em especial na região norte do país, a intolerância levou ao recrudescimento da violência de grupos jihadistas e criminosos contra os cristãos, esses grupos têm interesse em manter o país atolado no caos e na instabilidade."

Na Mauritânia há apenas por volta de 10 mil cristãos, sendo que a população do país é de 4,5 milhões de pessoas.

"A 'República Islâmica da Mauritânia, governo autocrático do 11º maior país da África, via de regra atua como protetor da religião islâmica. Consequentemente, o estado é um importante fomentador da perseguição. Pregadores e militantes islâmicos radicais contribuem para a radicalização da sociedade, alimentando o antagonismo e o ódio contra os não muçulmanos. Além disso, um sistema de castas marginaliza os mauritanos de pele mais escura e aqueles que não professam o Islã."

Na Etiópia, onde a principal religião é a cristã, a população cristã soma mais de 64 milhões de pessoas, "o Islã radical se multiplica local, regional e nacionalmente. Em especial nas zonas rurais, onde os muçulmanos são maioria, os cristãos são assediados e muitas vezes impedidos de terem acesso aos recursos comunais".

A população cristã do Marrocos é de cerca de 31.500 pessoas.

"Os cristãos padecem de perseguições tanto do estado quanto da sociedade. Há restrições impostas aos cristãos pelo Estado, como o confisco de textos cristãos escritos em árabe, restrições à evangelização e dificuldade em conseguir lugares de culto para os crentes com background muçulmano. Os muçulmanos radicais misturados à população em geral também pressionam os cristãos. Nas zonas rurais, a pressão da família e da comunidade também pode ser considerável ".

Na Tunísia, a pequena comunidade de cristãos soma cerca de 24 mil pessoas, "a vida na sociedade islâmica é caracterizada por hostilidade e pressão diárias".

"E a ameaça da atividade dos militantes islâmicos, especialmente aqueles que voltaram dos combates das fileiras do Estado Islâmico ainda é preocupante, com um ataque suicida contra uma delegacia em Túnis em setembro e um ataque de grandes proporções na região fronteiriça com a Argélia em julho de 2018."

No Quênia, outra nação africana, onde a principal religião é a cristã, os cristãos são alvos tanto de autoridades muçulmanas quanto de grupos terroristas.

"Inspirados pelos radicais islâmicos da Somália, os políticos muçulmanos fizeram da política de estado a eliminação do cristianismo. Amiúde, as autoridades exigem que as igrejas façam coisas que vão na contramão da fé cristã, já os militantes realizam ataques suicidas e outras barbaridades contra aqueles considerados inimigos do Islã". Devido à corrupção dentro das agências governamentais, os que atuam contra os cristãos costumam, lamentavelmente, desfrutar de impunidade."

Um artigo escrito para a Open Doors por Lindy Lowry em 21 de maio salienta que o Boko Haram, fundado em 2002 na Nigéria, já se expandiu para países vizinhos:

"O grupo realizou ataques terroristas no Níger, Chade e República dos Camarões, que resultaram em expressivas crises humanitárias e de refugiados. Eles ainda por cima são considerados 'arregimentadores de escravos' que visam mulheres em ataques em busca de 'esposas' em regiões ao redor do Lago Chade, que faz fronteira com o Chade, Níger, Camarões e Nigéria..."

"Em Ruanda, o governo fechou milhares de igrejas por não respeitarem as normas técnicas da construção civil e prendeu pelo menos seis pastores desde fevereiro de 2018 por 'poluição sonora'. Na província oriental de North Kivu, na República Democrática do Congo, os líderes da igreja estão sendo atacados e mortos. Segundo consta, pelo menos 15 grupos extremistas armados operam na região."

Conforme o relatório britânico demonstra, a motivação da perseguição aos cristãos e a outros grupos não muçulmanos não é a etnia, raça ou cor da pele dos perpetradores ou das vítimas, e sim por causa da religião deles. Na África, vários grupos e indivíduos islamistas estão atacando e procurando aniquilar os cristãos somente porque são cristãos. Se não for dado um basta a esses crimes, é muito provável que o destino do continente africano seja o mesmo do Oriente Médio: outrora uma região de maioria cristã, hoje os cristãos são uma minúscula, moribunda e indefesa minoria.

~

Uzay Bulut, jornalista da Turquia, Ilustre Colaboradora Sênior do Instituto Gatestone.
Traduzido por:Joseph Skilnik


Notícias

domingo, 30 de junho de 2019

Marcos 10 - Divórcio e crianças

(arte de Augusto Marques).



Aplicações sobre a passagem ministrada - Marcos 10: 

1- O chamado de Jesus ao discipulado no casamento era extremamente contracultural no século I como também voltou a ser para nós hoje, século XXI. Gregos, romanos e judeus adotavam livremente o atalho do divórcio para resolver seus problemas do casamento, e hoje, infelizmente, nossa cultura também é bastante permissiva e favorável ao divórcio. Infelizmente, entre os cristãos isso também tem sido assim. Mas não fomos chamados para isso. Mas então vem a questão: você tem praticado o discipulado no seu casamento? De que maneira você tem vivido de uma maneira que o mundo veja o amor de Deus no amor de você por sua esposa? Será que no casamento buscamos alívio no que é permitido ou nos comprometemos com a intenção original de Deus e com a ordem de Cristo? O que está no seu coração?

Precisamos seguir o ensinamento de Jesus sobre o casamento, tendo em conta também o que Paulo escreve em Efésios: amor e submissão são a chave para a solução dos inevitáveis problemas do casamento, não o divórcio. É interessante pensar que a ordem aos maridos para que realmente amem suas mulheres e às mulheres para que sejam submissas aos maridos tem um ponto em comum importantíssimo e contracultural: tanto o amor como a submissão implicam vulnerabilidade e renúncia. É somente assim que um casamento pode resistir ao divórcio e ser uma imagem do relacionamento entre Cristo e a igreja. Todos nós sabemos que amar é tornar-se vulnerável: abrimos mãos de nossos interesses em favor de quem amamos. Não existe amor sem vulnerabilidade, como bem ilustra o final do episódio "Um escândalo em Belgravia" da série inglesa "Sherlock Holmes", do Netflix. Mas nós, homens, tendemos a achar que é um sinal de fraqueza sermos vulneráveis com nossas esposas, especialmente se tivermos que renunciar às nossas conquistas, trabalhos e interesses pela nossa mulher. Da mesma forma, o feminismo acha intolerável e ofensivo a mulher submeter-se ao marido. Ela se torna vulnerável à sua maldade, seu pecado. É "opressor". Mas a verdade é que esse é o caminho para um casamento cristão que permanece. Somente quando ambos, marido e mulher, estiverem efetivamente e radicalmente comprometidos com os valores bíblicos, é que poderemos ter um casamento realmente feliz. Mas mesmo quando um falha, o outro é chamado a ser a luz do evangelho no casamento e assim sustentar essa aliança até que o outro se arrependa e desperte quanto ao seu pecado contra seu cônjuge. Peça ajuda a Deus, aos irmãos, mas não peça divórcio.

2- Para os solteiros: O casamento é uma instituição divina, é algo que Deus criou, uma união que não deve ser desfeita. Assim, os que querem se casar precisam saber o que é o casamento, para que problemas terríveis sejam evitadas. Não podemos fazer pouco caso da vida matrimonial. Isso envolve tanto a seriedade na escolha do parceiro, ainda que isso seja absolutamente insuficiente (pois nunca conhecemos 100% com quem nos casamos, e as pessoas mudam também, as vezes radicalmente) como a disposição de servir e amar mesmo em momentos difíceis ou quando não estamos apaixonados.

3- Como você trata seus filhos pequenos? E a nossa igreja, será que tem cuidado de suas crianças? Dificultamos o caminho delas ou proporcionamos que encontrem em Jesus o amigo maravilhoso que traz diferença às suas vidas? Será que não estamos adiando sua entrada no reino de Deus? Você as leva a sério?

4- Vulnerabilidade, mais uma vez: assim como somos chamados a sermos vulneráveis no casamento, diante de Deus também devemos ser vulneráveis como as crianças. Não temos méritos diante de Deus. Nossas conquistas de nada valem. Bem aventurados os pobre de Espírito. Você não pode ser presunçoso diante de Deus, achando que ele precisa te abençoar, te dar alguma coisa, que ele tem que te salvar, pois você "merece". Não, definitivamente, não! Humilhe-se diante de Deus. Somos aceitos por Deus não com base no que temos e em nossas realizações, mas com base no que não temos e no que Cristo tem. Como você tem procurado entrar no reino de Deus? Você confia em sua própria religiosidade e conduta moral para tanto? Ou você tem sido vulnerável e dependente da graça? Você é totalmente dependente de Jesus Cristo?


Rodrigo Majewski


Evangelho de Marcos

domingo, 23 de junho de 2019

19 anos da congregação



19 anos, uma igreja jovem e unida, com todo vigor em prol do evangelho!
Faltaram alguns irmãos na foto, mas vocês também fazem parte dessa comunidade.



“IGREJA REFORMADA, SEMPRE SE REFORMANDO”
“Ecclesia Reformata et Semper Reformanda est”
Gilbertus Voet (1589-1676).




Culto de domingo

sábado, 8 de junho de 2019

Como o Evangelho molda a vida em comunidade


Nessa lição, queremos explorar como o evangelho nos concede poder e torna possível uma comunidade mais profunda. Por “comunidade profunda” queremos dizer a comunidade na qual os relacionamentos são cada vez mais moldados pelas coisas boas que procedem da confiança em Jesus e nas promessas do evangelho, tais como: uma confiança crescente, franqueza, humildade, serviço, disposição para aprender e prestação de contas. Tais características refletem o caráter de Deus e suas intenções para com os relacionamentos humanos. (Os conceitos trabalhados aqui ainda são os mesmos da lição anterior, mas agora os abordamos de um ângulo diferente. Como consequência desse estudo, seu grupo deve começar a confrontar algumas de suas barreiras para uma comunidade mais profunda e vivificante.



Comunidade centrada no Evangelho

sábado, 1 de dezembro de 2018

Classe de novos membros


Congregar em um novo local pode ser muito melhor quando conseguimos entender todos os aspectos que fazem parte da vida de uma igreja. Por isso, queremos convidar os candidatos a batismo e os novos membros da ADJardim Botânico para participarem na primeira Classe para novos membros, onde falaremos da nossa igreja, dos compromissos de um membro e daquilo que cremos.



Vídeos das aulas:


Aula 1 - Apresentação da Igreja



Aula 2 - Membresia



Aula 3 - A Doutrina da Revelação e da Criação


~

Classe de novos membros

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Reforma Hoje

Série de mensagens em comemoração à Reforma Protestante.
(1517-2017)







Sola Scriptura (Somente as Escrituras) - Rodrigo Majewski




Solus Christus (Somente Cristo) - Israel Ramires



"É por causa de Cristo, para o engrandecimento do seu reino, para a glória do seu nome, que somos embaixadores e rogamos aos homens que se reconciliem com Deus.
Não podemos suportar o pensamento de que ele tinha sofrido em vão.
Deus fez, através da morte de Cristo, tudo oque é necessário para reconciliação do ser humano?
Então, enfrentaremos todas as dificuldades para insistir com os homens, persistente e ansiosamente, sobre a necessidade de serem reconciliados com Deus.
Este apelo urgente não é muito bem visto em alguns ambientes eclesiásticos de hoje..."

John Stott - Livro: O perfil do pregador


Sola Gratia (Somente a Graça) - Gabriel Kanitz




Sola Fide (Somente a Fé) - David Sander



"Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas;
Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que creem; porque não há diferença.
Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus;
Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.
Onde está logo a jactância? É excluída. Por qual lei? Das obras? Não; mas pela lei da fé.
Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei."
Romanos 3:21-28


Soli Deo Gloria (Somente a Deus a Glória) - Rodrigo Majewski



"Como conhecer a Deus e estar em paz com ele? Esse era o cerne das preocupações do reformadores, e todos os "5 solas" apontam respostas para essa questão fundamental da religião cristã."
"Soli Deo Gloria diz respeito, basicamente, a pelo menos duas coisas: 1) Que todo o mérito por nossa salvação pertence a Deus; 2) Que em última instância tudo pertence a Deus, e portanto nossa vida deve ser vivida "Coram Deo" em TODOS os seus aspectos. Devemos glorificar a Deus em cada aspecto da nossa vida."
"Não há compartilhamento da glória de Deus com ninguém. A salvação é obra dele do início ao fim. Assim, santos, anjos, purgatório, hierarquia eclesiástica são desnecessários e, em última instância, roubam a glória que é devida somente a Deus, glorificando humanos ou seres espirituais."
"Somos chamados a amar, nos alegrar e glorificar a Deus, mas naturalmente não desejamos isso por causa do nosso pecado. Somente quanto Deus nos transforma é que nosso coração, o centro de nossa personalidade, é reorientado novamente para Deus e podemos nos alegrar viver de uma forma que o agrada e glorifica."
"Temos um baixo conceito de Deus, por isso não nos alegramos nele, não o amamos, mas tentamos manipulá-lo a nosso favor. Assim, nossos cultos se tornam cansativos e precisamos inserir entretenimento para manter a frequência. Mas um Deus medíocre leva a uma vida cristã medíocre e a um culto medíocre que tem por objetivo apenas "reabastecer nossas energias", nos fazer sentir bem e entreter.

Mas quanto a isso, devemos lembrar que tudo existe para o glorioso Deus que servimos! todos os grandes acontecimentos narrados na Bíblia ocorreram para a glória de Deus!

A reforma foi mais do que uma redescoberta da doutrina da salvação pela fé, foi também um "movimento de reordenação de toda a sociedade à luz da Palavra de Deus", como ensinam os teólogos reformados. Se tudo existe para a glória de Deus, então devemos olhar o mundo de outra maneira, e assim fizeram os reformadores, ao defenderem a glorificação de Deus em todas as coisas. Nesse sentido, o protestantismo não secularizou o mundo, mas santificou o secular."
"Isso significa que "somente a Deus a glória" implica preocupar-se com o caráter total do relacionamento entre criatura e criador. Toda a vida é vivida "coram Deo", diante de Deus. Nossa família, casamento, amizades, trabalho, lazer, descanso, estudos, tudo deve ser buscado e feito para a glória de Deus. A glória de Deus deve ser nossa paixão última em tudo o que fazemos e pensamos!"
"Vocação é o meio pelo qual glorificamos a Deus. Onde estivermos, o que estivermos fazendo não somente o nosso trabalho, é uma vocação que Deus nos deu. Sagrado não é apenas o que é feito na igreja, mas tudo o que fazemos no mundo, desde que o façamos, como ensinou Paulo, para a glória de Deus. Trocar fraldas de um bebê, lavar uma louça, advogar uma causa simples ou atender um doente são formas de servir a Deus, cumprindo a vocação momentânea que ele nos deu. Porém, devemos lembrar: isso é sagrado, MAS não é um fim em si mesmo, pois deve ser feito para a glória do nosso criador. Na nossa vocação servimos a Deus e ao próximo, não a nossa própria vocação ou auto-realização."
"Só quando glorificarmos a Deus é que encontraremos o verdadeiro contentamento e satisfação duradoura! Nossos afetos e alegrias, portanto, devem ser totalmente dirigidos a ele! Quanto mais vivermos para a sua glória, mais nos alegraremos e nos satisfaremos nele, o que, ao final, é o propósito de nossa existência!"

APLICAÇÕES
"6- Deus não está longe, está perto! Não está contra você, está a seu favor! Não é inimigo dos que estão em Cristo, mas é um pai amoroso! Portanto, busque a presença de Deus, alegre-se com sua glória, viva para a sua glória, entenda que você foi liberto da necessidade de agradar a Deus para servi-lo em liberdade, com alegria! Aproxime-se! A verdadeira felicidade se encontra entrando na santidade e glória de Deus, não fugindo e se afastando dele! Somente tendo essa comunhão você poderá viver para sua glória!"

CONCLUSÃO
"Enfim, a felicidade não se encontra em nós mesmos, ou em nossa auto-realização, mas apenas no glorioso e poderoso Deus, como nos ensina um antigo catecismo, ao dizer que o propósito final do ser humano é glorificar a Deus e gozá-lo para sempre. Nesse sentido, quero encerrar com uma citação de um famoso teólogo que entendeu muito bem essa perspectiva, Jonathan Edwards:
'O gozo de Deus é a única felicidade com a qual nossa alma pode satisfazer-se. Ir ao céu, desfrutar plenamente de Deus, é infinitamente melhor do que as mais agradáveis comodidades deste mundo. Pais e mães, maridos, mulheres, filhos ou a companhia de amigos terrenos são apenas sombras; mas Deus é a substância. Eles são apenas raios de luz, Deus é o sol. Eles são as correntes de água, Deus é a fonte. Eles são gotas, Deus é o oceano.'"

~

Reforma Hoje

 

Todos os domingos você ouvirá a palavra do Senhor em nossa igreja! Cremos no Evangelho de Jesus Cristo, pois cremos que não há o que possamos fazer para causar transformação na vida das pessoas, isso é obra inteiramente do Espírito Santo que atua na igreja de forma sobrenatural, levando pessoas ao arrependimento e transformando vidas. Você ama a palavra de Deus? Venha nos fazer uma visita e adorar ao Deus trino em nossa congregação.

Copyright © Botânico Church™ . Igreja Assembleia de Deus Jardim Botânico. Tv. Serafim Terra, 133 - Jardim Botânico, Porto Alegre - RS, 90690-280.
Pertencente à AD Porto Alegre. Tema do site desenvolvido por Templateism.. Soli Deo gloria.